top of page

Nossos Artigos

Confira abaixo nossos artigos e postagens.

 

Para conhecer nossos cursos CLIQUE AQUI.

Tecnologia de Limpeza de Tanques

Vamos falar sobre tecnologias de limpeza de tanques mais comuns, mas antes, gostaria de receber avisos sobre nossos conteúdos pelo WHATS?


Se sim, acesse, https://www.engenhariaecia.eng.br/newsletter e se inscreva.


tecnologias para limpeza de tanques

Em muitos tipos de processos produtivos a limpeza do reservatório ou tanque de processamento é um grande desafio.


Seja porque os lotes possuem características distintas, como a cor, ou seja pela contaminação, característica comum em processos sanitários como as indústrias alimentícia, farmacêutica ou de cuidados pessoais.

Portanto, quanto mais rápido e eficiente o processo for executado, melhor.

Nesse contexto, podemos falar da tecnologia de limpeza, normalmente chamada de CIP, do inglês, Cleaning in Place (limpeza no local) que utiliza água, detergente cáustico e (ou) ácido, e recuperação de enxágue.

Eventualmente, podemos ter tanto o SIP, do inglês Sterilization in Place (esterilização no local) que normalmente utiliza vapor.

Hoje, contamos com 3 tipos de dispositivos ou tecnologias para o processo de limpeza, que são:

1) ESFERA DE SPRAY ESTÁTICA (Spray ball) (à esquerda):

Consiste numa bola esférica com vários pequenos orifícios, por onde os produtos passam. Ele normalmente exige de 2,5 a 3,0 bar de pressão para funcionar adequadamente.


Principal vantagem é o preço de aquisição, sendo mais barato de todos, porém, como desvantagem, temos o tempo de execução da limpeza, o maior consumo de produtos e energia, além da eficiência que é questionável.

Não é recomendando para limpar produtos de díficil remoção, como por exemplo, pasta de dente.

Levando em conta o tempo de parada das máquinas, o custo dos profissionais envolvidos na atividade e o custo dos produtos utilizados na limpeza, não é tão barato assim, mas isso, quase ninguém analisa hoje em dia.


2) ESFERA DE SPRAY ROTATIVA (SPRAY BALL) (centro):

Este dispositivo consiste em uma bola esférica capaz de girar que exite de 2 a 3 bar de pressão para funcionar adequadamente.


Ele possui fendas que geram jatos em formato de leque. A medida que ele atingem (quase) todo o equipamento, promovendo uma limpeza muito mais eficiente e rápida que a spray ball estático.

É a solução intermediária tanto em termos de custo e quanto de eficiência.

3) CABEÇOTES DE LIMPEZA (direita):


Também chamados de "Turbinas de limpeza", uma vez o mecânico que o faz girar é uma turbina.


Consiste em um cabeçote giratorio que possui de 1 a 4 jatos giratórios.


A maioria do mercado requer uma pressão de 5 a 6 bar para funcionar adequadamente.

Ele possui jatos são muito mais fortes, cujos os impactos promovem maior capacidade de limpeza e remoção de resíduos, sendo ideal para limpeza de produtos difíceis.

É o mais caro de todos os dispositivos, porém, consome menos produtos de limpeza e torna o ciclo de limpeza mais rápido, aumentando a disponibilidade dos equipamentos e consequentemente a produtividade da empresa.

Nas fotos, temos um antes e um depois do seu uso.


Fonte: Alfa Laval.

64 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


loja do mecanico.png
bottom of page